24 de março de 2010

Sucursal do paraíso


A "Sucursal do paraíso". Foi com esta expressão que a minha prima Lúcia me descreveu o sítio onde ela dorme, quando está em Pemba. Olhando para a envolvência geográfica da cidade, desconfiava de um belo abrigo ao pé do mar, com ritmo relaxado. Não imaginava que carregasse tantas histórias e fosse tão idílico.

Sem querer entrar em muitos pormenores, toda a estrutura que vos vou contar é o sonho realizado de um homem (www.zemun.co.za): sérvio, vivido na África do Sul cerca de 30 anos, trabalhou na área mineira em diversos países africanos e levava uma vida de negócios frenética. Mudou 180º! África é rica neste tipo de mudanças de vida e já conheço algumas. Não gosto, no entanto, de pensar que se trata de mais uma, mas sim uma, com as suas motivações ideológicas e emocionais. Respeito todas, admiro algumas…

Deixo a estrada principal, de alcatrão, e entro numa picada de areia, em boas condições, envolta por vegetação e machambas (o termo local para pequenas hortas). A picada foi feita e é mantida pelo próprio, sentado ao volante duma máquina própria, com uma imponente pá à frente e arrastando um pesado cilindro atrás.

A casa é uma ilha no meio da vegetação. Aliás, não consegui ter uma visão geral da casa, pois há, por todo o lado, árvores, flores e plantas. O resultado disto é engraçado. Ando pelo jardim, passo por um coqueiro, distraio-me com uma flor e…OH…está aqui uma porta.

Olha, é uma casa, que parece uma toca camuflada num verde vivo de folhas. Tem 4 quartos e uma sala, com kitchnet, de onde surge, quase por magia, um jarro de sumo de papaia fresco. Simples, mas muito ampla e com constante contacto com o exterior.

É toda construída em madeira, num contexto industrial que ele gere, desde o corte da árvore até ao último encaixe. Há uma série de esculturas, de dimensões consideráveis, também em madeira, pela casa toda. São feitas por artesãos Macuas locais que, segundo a descrição que me foi dada, fumam erva e esculpem o dia todo!

Não sei qual a percentagem das tarefas, mas as esculturas são obras de arte…e estão vivas de simbolismo, à sua maneira, na imobilidade própria das coisas materiais.

O jardim é quase todo plantado: flores de cores vivas, fruta variada, plantas que afastam mosquitos, relva, pode-se encontrar de tudo! Como um bastião do tempo, encontra-se um embondeiro (com uma idade avaliada em cerca de 2000 anos) que ali viu nascer todo este sonho.

Terá visto outros episódios ao longo da História, mas infelizmente não tem condições de os contar. Pelo menos verbalmente, porque apreciando o seu porte temos a certeza que as suas rugas biológicas só não viram o nascimento de Cristo, porque foi distante dali!

É comum este tipo de árvore formar cavidades no seu interior e neste vivem cerca de 3 morcegos, sem pagar renda!

Os planos actuais passam pela construção de várias casas, em madeira, claro!, para servir de ponto turístico. Aqui estou eu junto deste projecto, com um objecto essencial em cada mão: lata de cerveja e repelente!

E foi neste cenário que fui recebido em Pemba, com a vantagem de ir parar a uma festa, na praia.

Como os sul-africanos estavam em maioria e não costumam deixar créditos por mãos alheias, foi montada uma logística impressionante. Frigoríficos, fogões e um grelhador a cozinhar um cabrito inteiro. Cerveja, água, vinho, saladas.

Música, pé descalço, fogueira e estava montado o cenário.

A folia durou até altas horas…no período pré madrugada. Às 22h estava tudo KO. Assim é o ritmo local. Acordam com o sol às 5h…e deitam-se cedo!

No dia seguinte…a praia. Já recebi várias intimidações sobre as minhas descrições da praia. Embora as sinta e escreva do verão, e tenha vontade de as registar, compreendo que seja duro lê-las numa recém chegada primavera, ainda fria, no hemisfério norte. Por isso, deixo apenas as fotos.



15 comentários:

Bichocao disse...

URSO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

CR6 disse...

Que inveja .....

Tatiana disse...

Obrigada pela descrição e ilustrações da sucursal do paraíso,
que me recordam que vivo numa sucursal do infeno.
Que inveja... :)
Um dia destes apareço por aí.

Isa disse...

:))) demais, André. Continua!
bjo

Cris disse...

Mais um documentário fantástico, com fotos fantásticas!
Também quero!!! Vais ter muita gente com inveja....mas da boa!!!:)
Um dia ainda vou aí só para tirar uma foto junto desse embondeiro, simplesmente maravilhoso!
Obrigada!
Beijokas

Joana disse...

E a Lúcia tem a sorte de viver nessa sucursal de paraíso...magnifica!!!

Sara disse...

a vida proporciona as vezes coisas fantasticas.....ainda bem que essa tua prima esta a disfrutar de algumas...e partilha contigo!!

Andre disse...

Grande André! Que delírio, até para um apreciador das altas latitudes como eu. A tertúlia vai de vento em popa, e bem alimentada, como se vê pelo cabrito no espeto hehe. Grande Abraço do Grunho residente na sucursal do inferno

Anónimo disse...

Já decidi, lembras-te de eu querer que me comprasses uma machamba?....pode ser por ai!!!
AP

Vanessa disse...

oláaaa :DD african soul ;) bom,a avaliar pelos "estragos mentais e fisicos"..diria que vais ficar ai ate ters netos, portanto ;) mas caso queiras alguma ajuda nessas arduas tarefas de levantas a cerveja ou bater o pe na areia..epah...parece-me duro de mais :P eheheh resumidamente....QUEROOOOO !!!!! ha por ai uma cabana perto do amr para arrendar??? nao me importo de a partilhar com os morcegos :P ehhehe da-lhe e vai pondo aqui a malta a arranhar paredes ;) beijoooo

Luís disse...

Fantástico André....
Sempre que visito o teu blog fico com a impressão que por aí as "coisas" têm o verdadeiro significado delas próprias...

Ninguém disse...

Bons depoimentos

"Ninguém" disse...

Sou "ninguém" ou "metade de dois "ninguéns" ou ainda "filha daqueles que são mesmo avós".
Os textos são mto bons, mto bem escritos, o que é raro, actualmente (encontrei um erro de ortografia na última palavra do texto de 22/03/10,naturalmente uma pequenina distracção!).
Não há dúvida que o Mundo, em cada momento, está cheio de contrastes, como este: de um lado, fica o efeito devastador de um tornado, com o inerente mar de lágrimas e ondas de sofrimento...(mas, como em qualquer tempestade, o tempo encarrega-se de suavizar... e cria novo contraste!),do outro lado, a aventura, a beleza envolvente da paisagem, uma suposta paz, serenidade e indiferença (nem os assaltos afectam!),o lindo mar, com ondas relaxantes e, claro, uma boa cerveja! (é a tal sucursal do paraíso...)

Anónimo disse...

Bons depoimentos

Carla disse...

A Sucursal do Paraiso e' lindissima e a maneira em como foi descrita, esta' fantastica! Parabens, Andre'!!!